NOBILE. ECONOMIA E TECNOLOGIA OS ALIADOS DA COVID 19

31 Marzo 2020 Pubblicato da --

Marco Tosatti

Caros amigos e inimigos de Stilum Curiae, Agostino Nobile oferece-nos uma reflexão muito ampla sobre as razões profundas e as alianças insuspeitas que favoreceram a pandemia do coronavírus. Desfrute da sua leitura. 

§§§

      As ideologias que contribuíram para a difusão do Covid-19

O extraordinário crescimento da indústria e da urbanização, juntamente com as descobertas feitas nos séculos XIX e XX, deram um impulso avassalador ao movimento conhecido como modernismo. Um pensamento que ao longo dos anos retrabalhou todos os aspectos sociais, do comércio à filosofia de vida, até a opor, mentindo, o progresso ao cristianismo. Na realidade, foi precisamente a Igreja que promoveu a ciência, abolindo aquelas práticas que contradizem o método científico. A ideia de promover o bem-estar é um dos fundamentos do cristianismo. Desde o alto Evo, os monges têm sido os principais promotores. Com São Bento de Norcia (ca. 480 -547), fundador do monaquismo ocidental, a higiene foi valorizada, para além da farmacopeia. A limpeza fazia parte da Regra, não por acaso são chamadas Ordens religiosas. Léo Moulin, um dos mais profundos conhecedores da Idade Média e das regras monásticas, escreve: “Desde o século VII, muitos mosteiros têm tido banhos com água quente. […] a hora, o dia, a maneira de tomar banho são regulados com grande meticulosidade. Os monges devem se despir como em um dormitório, ou seja, respeitando as regras da modéstia […] Eles não devem demorar no banho. Uma vez lavados, eles usam a roupa limpa que lhes foi dada […]. Os religiosos devem sempre lavar as mãos antes de ir para a mesa, levantando-se novamente da mesa, assim depois da sesta, antes de ir ao coro da manhã, depois da missa, antes de lavar os pés de 13 pessoas pobres na Quinta-feira Santa”. Hoje, como no passado, as pandemias que devastaram a Europa tiveram quase sempre origem no Oriente. Se eles tivessem seguido as regras beneditinas, muito provavelmente não teríamos os vírus que periodicamente infectam milhões de pessoas…
O cristianismo difere das outras religiões e ideologias porque valoriza antes de mais nada o ser humano, como indivíduo e como comunidade. Em relação à bioética, na encíclica Caritas in Veritate do Papa Bento XVI, adverte: “O campo primário e crucial da luta cultural entre o absolutismo da tecnicidade e a responsabilidade moral do homem de hoje é o da bioética, no qual a própria possibilidade de desenvolvimento humano integral está radicalmente em jogo. Este é um campo muito delicado e decisivo, no qual emerge com força dramática a questão fundamental: se o homem produziu a si mesmo ou se depende de Deus. As descobertas científicas neste campo e as possibilidades de intervenção técnica parecem tão avançadas a ponto de impor a escolha entre as duas razões: a da razão aberta à transcendência ou a da razão fechada na imanência”.
Os falsos progressistas, pelo contrário, elevam sobre tudo a economia, a tecnologia e a ecologia. Chegamos ao ponto em que o homem, desde o ventre da mãe até à velhice, se tornou o perigo número um. Como evidenciado pela legalização do aborto e da eutanásia. Isto não é progresso, mas regressão à barbárie. Para os bárbaros o homem era apenas um meio a ser sacrificado para alcançar os fins dos poderosos. 

A fé na ideologia progressista levou ao rebaixamento do homem para um animal (ver a teoria darwinista ensinada nas escolas), produzindo no século XX ideologias desumanas e duas guerras mundiais onde milhões de jovens europeus perderam a vida, forçados a morrer como se fossem animais para abate. Aqueles que não lutaram foram mortos no campo de batalha como em casa. Apesar da imensa carnificina, novos medicamentos como as penicilinas, que começaram a ser usadas para infecções em 1942, deram novo vigor aos defensores da ideologia progressista. O homem sentia-se o mestre da natureza. Deus não existe ou está morto, disseram eles. O homem é deus de si mesmo. Através da ciência e da economia somos capazes de criar bem estar, curar doenças e controlar a natureza. Isto é confirmado pelos novos medicamentos, as esplêndidas pontes que pela primeira vez ligam terras que só podiam ser alcançadas por barco; os aviões que ligam todos os continentes, os arranha-céus que sobem para os céus das grandes cidades do planeta. Depois temos também a Internet, reality shows, smartphones e sexo livre. Caramba, agora niguem nos para!

  O Coronavirus teve um efeito pior que um martelo no crânio que, com um golpe bem dirigido,  deixa morto no lugar. O Covid-19 (Doença de Coronavirus 2019) mata lentamente, tira o fôlego, a liberdade e a racionalidade. Obriga ao isolamento, a viver 24 horas por dia com pessoas que, embora amáveis, podem libertar os sentimentos mais imprevisíveis. Aumenta a depressão, o desespero, o suicídio. Uma grelha de queima lenta. O progresso anti-Deus, anti-Humano e anti-Vida chegou ao fim. Não estamos interessados em saber se esta devastação está ou não relacionada com o divino. Só nos perguntamos se os governos, intelectuais, cientistas, pós-modernistas, pós-humanistas e todos aqueles que negam a Deus, ainda consideram a economia e a tecnologia as asas do progresso. Não surge o suspeito de que estas duas ideologias são as portadoras do pesadelo actual? Se o governo chinês não tivesse tido medo de comprometer a economia, muito provavelmente teria lançado o alarme em 2019, quando alguns médicos tinham detectado o perigo de uma pandemia. Em vez disso,  eles foram forçados ao silêncio sob ameaça. Também por razões económicas, os governos progressista italiano e bancário de Bruxelas imitaram a China comunista. Estando numa democracia não usaram os métodos de Xi Jinping, mas ostracizaram qualquer um que ousasse falar do perigo do Coronavírus, apóstrofizando-os como fascistas, racistas, etc. Aos progressistas somam-se os abutres ecológicos, os defensores do aborto e da eutanásia. Um vírus como o Covid-19, capaz de exterminar milhões de seres humanos, vai fazê-los regozijar-se de alegria. Eles sabem muito bem que as ideologias que consideram o homem um número, um produto a ser moldado sem alma, levam diretamente à diminuição da população mundial. Hoje só podemos esperar que o pesadelo termine o mais rápido possível. Mas se não quisermos esperar por uma pandemia mais mortal do que o Coronavírus, que exterminará a maior parte da humanidade, devemos voltar à Ordem querida por Deus. 

Agostino Nobile

§§§




 

STILUM CURIAE HA UN CANALE SU TELEGRAM

 @marcotosatti

E ANCHE SU VK.COM

stilumcuriae

SU FACEBOOK C’È LA PAGINA

stilumcuriae




SE PENSATE CHE

  STILUM CURIAE SIA UTILE

SE PENSATE CHE

SENZA STILUM CURIAE 

 L’INFORMAZIONE NON SAREBBE LA STESSA

 AIUTATE STILUM CURIAE!

ANDATE ALLA HOME PAGE

SOTTO LA BIOGRAFIA 

OPPURE CLICKATE QUI 




Questo blog è il seguito naturale di San Pietro e Dintorni, presente su “La Stampa” fino a quando non fu troppo molesto.  Per chi fosse interessato al lavoro già svolto, ecco il link a San Pietro e Dintorni.

Se volete ricevere i nuovi articoli del blog, scrivete la vostra mail nella finestra a fianco.

L’articolo vi ha interessato? Condividetelo, se volete, sui social network, usando gli strumenti qui sotto.

Se invece volete aiutare sacerdoti “scomodi” in difficoltà, qui trovate il sito della Società di San Martino di Tours e di San Pio di Pietrelcina


LIBRI DI MARCO TOSATTI

Se siete interessati a un libro, cliccate sul titolo….


Viganò e il Papa


FATIMA, IL SEGRETO NON SVELATO E IL FUTURO DELLA CHIESA

Fatima El segreto no desvelado

  SANTI INDEMONIATI: CASI STRAORDINARI DI POSSESSIONE

  PADRE PIO CONTRO SATANA. LA BATTAGLIA FINALE

  Padre Pío contra Satanás

La vera storia del Mussa Dagh

Mussa Dagh. Gli eroi traditi

Inchiesta sul demonio

Tag: , ,

Categoria:

Questo articolo è stato scritto da Marco Tosatti

I commenti sono chiusi.