NOVO GENOCÍDIO CULTURAL CONTRA OS ARMÉNIOS ?

21 Novembre 2020 Pubblicato da Lascia il tuo commento

 

Marco Tosatti

Caros amigos e inimigos de Stilum Curiae, na quase total indiferença dos meios de comunicação social, e também de bastantes “católicos” o povo arménio, vítimas do primeiro genocídio do século XX, aquel que fornecer a Hitler o know-how para realizar a Shoah, estão de novo em perigo: não só fisicamente, mas também culturalmente. Falei sobre isso na Rádio Roma Libera, a maior estação de podcast católica italiana. Agradecemos ao dies irae pela tradução Boa leitura, e boa escuta.

§§§

 

Em 2015, o Estado Islâmico destruía – ou tentava destruir –, em Palmira, artefactos históricos centenários, e apenas o heroísmo, pago com a vida, do director do Museu de Palmira evitou que os bárbaros, financiados pelo Ocidente, causassem maiores danos. O Mundo inteiro podia assistir à propagação da barbárie em directo e, a 1 de Setembro, a UNESCO declarou que se tratava de crimes contra a civilização.

Dez anos antes, algo semelhante tinha acontecido no Naquichevão, um território dentro dos limites do Azerbaijão que confina, principalmente, com a Arménia e o Irão. Mas ninguém tinha reivindicado a dúbia honra desta destruição cultural. O episódio passou quase despercebido.

Foi, porém, o culminar de uma campanha azerbaijanesa para apagar os vestígios de um povo: a transformação do cemitério medieval da cidade de Julfa numa terra deserta. Os arménios viveram em Jugha – como era chamada a cidade – até ao final do século XIV, quando o xá Abas, o Grande, os forçou a transferir-se para o que se tornaria a nova capital da Pérsia Safávida. Em Julfa permaneceram os seus mortos, que homenageavam com enormes esculturas fúnebres, os khachkars. Passaram os séculos e o vento perene soprou implacável; também passou a União Soviética. Cerca de 22.000 khachkars permaneceram de pé; de acordo com outros cálculos, cerca de 10.000. Até 89 igrejas medievais arménias e 5.840 monumentos ainda estavam de pé quando a URSS desapareceu, de acordo com uma pesquisa do especialista local Argam Ayvazyan, que agora vive na Arménia.

Em 2005, a contagem, de acordo com testemunhas oculares especializadas, era, respectivamente, de 0, 0 e 0. Nada mais de khachkars, nem de igrejas, nem de mosteiros. Exactamente como em Palmira, mas sem ruídos ou reclamações.

A 9 de Novembro, foi anunciado um acordo de paz entre a Arménia e o Azerbaijão para pôr termo ao conflito armado no Alto Carabaque, uma guerra desencadeada pelos azerbaijaneses com o apoio entusiástico dos turcos, os autores do primeiro genocídio do século XX, aquele contra os arménios, que os turcos ainda negam.

A memória daquela destruição de 2005 ressurgiu depois de o primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinyan, ter confirmado a assinatura do acordo com o Azerbaijão, que dá a Bacu grandes porções do território povoado por arménios que, neste momento, estão a emigrar.

O anúncio foi uma surpresa para Hovhannisián, o abade de Dadivank e pároco de Kalbajar, cidade que será entregue às autoridades azerbaijanas. Hovhannisián restaurou, reconstruiu e manteve utensílios, objectos, khachkars e, até mesmo, os edifícios do mosteiro. Agora que deve regressar ao domínio de Bacu, o religioso teme o pior.

Após o anúncio, Hovhannisián não fez nada além de recrutar veículos e voluntários para transportar o máximo de objectos possível para Erevan, a capital da Arménia. «Mas a coisa mais importante, que é o mosteiro, não pode ser transportada» Trata-se de um complexo de edifícios que remontam aos séculos IX-XIII e é um dos maiores complexos da Arménia medieval.

Hovhannisián recorda que o mosteiro, antes de regressar aos arménios, tinha sido usado como estábulo pelos azerbaijaneses. O medo de Hovhannisián do que poderia acontecer à riqueza do complexo de Dadivank nasce do caso mais sensacional que já se verificou: o do cemitério de Julfa, no Naquichevão. Como a área tinha apenas cerca de 4.000 habitantes, escapou dos cenários de guerra, mas os seus tesouros foram constantemente destruídos a título da negação da história e da cultura.

Marco Tosatti

Através de Radio Roma Libera

Por Dies Iræ a 21 novembro

§§§




STILUM CURIAE HA UN CANALE SU TELEGRAM

 @marcotosatti

(su TELEGRAM c’è anche un gruppo Stilum Curiae…)

E ANCHE SU VK.COM

stilumcuriae

SU FACEBOOK

cercate

seguite

Marco Tosatti




SE PENSATE CHE

 STILUM CURIAE SIA UTILE

SE PENSATE CHE

SENZA STILUM CURIAE 

 L’INFORMAZIONE NON SAREBBE LA STESSA

 AIUTATE STILUM CURIAE!

ANDATE ALLA HOME PAGE

SOTTO LA BIOGRAFIA

OPPURE CLICKATE QUI 




Questo blog è il seguito naturale di San Pietro e Dintorni, presente su “La Stampa” fino a quando non fu troppo molesto.  Per chi fosse interessato al lavoro già svolto, ecco il link a San Pietro e Dintorni.

Se volete ricevere i nuovi articoli del blog, scrivete la vostra mail nella finestra a fianco.

L’articolo vi ha interessato? Condividetelo, se volete, sui social network, usando gli strumenti qui sotto.

Se invece volete aiutare sacerdoti “scomodi” in difficoltà, qui trovate il sito della Società di San Martino di Tours e di San Pio di Pietrelcina

Condividi i miei articoli:

Libri Marco Tosatti

Tag: , , ,

Categoria:

Lascia un commento